Tag: Copa do Nordeste

Moto empata fora e Sampaio é atropelado no Castelão

A terceira rodada da Copa do Nordeste rendeu apenas um ponto para os times maranhenses. O Moto conseguiu um empate fora de casa diante do CRB, enquanto o Sampaio foi facilmente derrotado pelo CSA, no Castelão.

No Rei Pelé, o Moto saiu na frente logo no primeiro minuto com Márcio Diogo, que chegou ao seu terceiro gol na competição e ao quarto na temporada. O CRB igualou o placar no segundo tempo com Victor Rangel.

O Moto voltou a ficar na frente com Lucas Dias, que conseguiu seu segundo gol na temporada. O CRB quase empatou o jogo com Victor Rangel, que parou na defesa de Rodolfo na cobrança de pênalti. A igualdade da equipe alagoana saiu com Zé Carlos marcando o segundo gol.

Em São Luís, o Sampaio foi engolido pelo CSA. Sem alternativas ofensivas e com Maxuel jogando durante o primeiro tempo mais distante da grande área. Na primeira boa chance alagoana, Régis encobriu o goleiro Rodrigo Santos e abriu o placar no Gigante do Outeiro da Cruz.

No segundo tempo, após a saída de bola errada do Sampaio, Matheus Sávio avançou, achou Gerson que tocou para Patrick Fabiano ampliar o marcador. O Tricolor ainda teve o zagueiro Moisés expulso e com um a mais, o CSA chegou ao terceiro gol novamente com Patrick Fabiano.

Agora, Moto e Sampaio se encontrarão no próximo jogo pelo Campeonato Maranhense. Inegavelmente, o Rubro-Negro chega em melhor forma para o Superclássico, invicto no ano, com três vitórias e três empates, enquanto o Tricolor conta com duas derrotas, dois empates e duas vitórias. Em campo, o futebol apresentado pelo Papão também é superior. Será um jogo crucial para saber se Flávio Araújo conseguirá continuar no comando do Tubarão.

Sampaio 2×2 Confiança: empate em festival de pênaltis no Castelão

Foram três pênaltis marcados, dois para o Sampaio e um para o Confiança, e o empate em 2 a 2 ao fim dos 90 minutos. O Tricolor maranhense e o Dragão mantém as duas equipe sem vencer no Nordestão, mas agora com seus primeiros pontos conquistados na competição.

O primeiro tempo foi com um Confiança melhor em campo, principalmente por sua aplicação defensiva. Se o Sampaio abusava das bolas cruzadas buscando Maxuel na grande área, João Paulo e Vinícius Simon sobravam nas disputas de bolas aéreas. A dupla afastou todas as jogadas perigosas criadas por cima pelo time maranhense.

O problema do Sampaio em sobrecarregar com as jogadas pela direita é que o setor ficou completamente desprotegido com Yann atuando praticamente na linha de meio-campo com Talisson. Foi como surgiu o espaçi necessário para Gustavinho cruzar para Junior Timbó abrir o placar no Gigante do Outeiro da Cruz.

Vale destacar que durante o primeiro tempo, o Sampaio chegou a ter maior posse de bola principalmente no campo ofensivo, mas o trabalho de marcação com Negretti e Jardel no meio-campo do Confiança impediram criações de jogadas perigosas do Tricolor.

No segundo tempo, o Sampaio teve uma melhora no aproveitamento ofensivo, conseguindo chegar mais ao gol do Confiança, principalmente por conta da aproximação de Talisson com Eloir por dentro. O esforço rendeu resultado com o primeiro pênalti marcado e Maxuel empatando o jogo. A virada do time maranhense também veio na marca da cal, mais uma vez com Maxuel.

Em desvantagem, o Confiança apostou nas entradas de Jonatas e Ítallo para reforçar o ataque. No fim do jogo, um terceiro pênalti para o sergipanos. Tito cobrou e garantiu o empate no Castelão, junto com o primeiro ponto das duas equipes na tarde deste sábado.

Vitória 1×1 Moto: empate de pênaltis no Barradão

Maurícia da Mata / EC Vitória

Na tarde deste sábado, o Moto ficou no empate em 1 a 1 com o Vitória na segunda rodada da Copa do Nordeste. Foi o segundo empate do Rubro-Negro na competição, que chegou a jogar os 10 minutos finais com um jogador a mais em campo.

Logo no primeiro ataque do Vitória, um pênalti foi assinalado para os mandantes. Na cobrança, Nickson abriu o placar para o Leão. O gol logo cedo não virou um domínio como era esperado. Ainda na primeira etapa o Moto quase empatou, quando Márcio Diogo acertou a trave do gol defendido por Caíque.

O segundo tempo manteve o equilíbrio com os dois times criando oportunidades. No Moto, Márcio Diogo era o jogador mais ativo na frente, enquanto o Vitória teve as principais oportunidades criadas com Luan Ferreira e Nickson. O esforço do Moto foi recompensado na reta final, quando Bruno Bispo colocou a mão na bola dentro da área. Na cobrança, Márcio Diogo converteu e garantiu o empate para o Rubro-Negro maranhense.

O empate deixa o Moto com dois pontos no grupo B, mesma pontuação do Vitória no grupo A. Márcio Diogo e Nickson, que marcaram os gols do jogo, agora aparecem na lista de artilheiros do Nordestão, cada um com dois gols marcados.

Ceará 5×0 Sampaio: Tricolor é humilhado na estreia na Copa do Nordeste

Felipe Santos/carrasco.com

Em seu primeiro jogo da temporada de 2019, o Sampaio sofreu a sua maior derrota na Copa do Nordeste, ao ser goleado por 5 a 0 diante do Ceará. Derrota que deixa o sinal de alerta totalmente ligado no Tricolor, que apesar da nítida diferença técnica entre as duas equipes, não era esperado um resultado negativo com um placar tão largo e uma postura totalmente apática dos maranhenses.

Com o Sampaio se dedicando somente à se defender durante os 45 minutos finais, o Ceará achou o primeiro gol somente na reta final, com uma bela finalização de Baixola para abrir o placar. Na etapa final, o time cearense achou espaço no meio-campo e no lado esquerdo da defesa do Sampaio.

Edinho, Samuel Xavier e Matheus Matias acharam pela direita espaço para servirem Feijão, Ricardinho e Ricardo Bueno, que decretaram a goleada na Arena Castelão. No minuto final, o goleiro Rodrigo Carvalho, no desespero, ainda tentou disputar uma bola com Rick, que fez o cruzamento para Ricardo Bueno decretar a goleada por 5 a 0 do time cearense.

A derrota é a maior sofrida pelo Sampaio na Copa do Nordeste e a pior estreia de um campeão na competição. O Tricolor tentará apagar o vexame de sua primeira apresentação na temporada nas duas rodadas do Campeonato Maranhense antes de voltar a campo pelo Nordestão, quando encara o Confiança no dia 26 de janeiro.

Moto 1×1 Altos: tropeço Rubro-Negro na estreia da Copa do Nordeste

O Moto mereceu a vitória durante os 20 minutos iniciais de sua jornada na Copa do Nordeste. Após sair na frente, foi facilmente dominado pelo Altos e o empate de 1 a 1 ao fim do jogo ficou de lucro para o Rubro-Negro.

Durante os 20 minutos iniciais da partida, o Moto mostrou o controle de bola esperado e sempre com paciência no ataque. A marcação individual de Sidney em Arcanjo dificultou os planos do Papão, que compensou com a inversão de Marcio Diogo e Russo. Movimento fundamental para Márcio abrir o placar no Castelão.

O problema veio depois do gol. O Altos conseguiu encaixar seu jogo, enquanto o Moto dependia de arranque individuais de Marcio ou Russo para avançar. Nesse tempo, Manoel acertou a trave e Rodolfo voltou a mostrar insegurança no gol.

O Altos matou o jogo com a entrada de Wesley, quando Thiaguinho foi transformado em ponta pela esquerda. Foram duas finalizações e duas tentativas de cruzamento do camisa 6, até acertar a finalização cruzada e empatar o jogo.

Ancelmo e Dos Santos, pelo meio, ainda acharam espaço para assustar o goleiro Rodolfo. No segundo tempo, o Moto andou em campo, o que dificultou a criação ofensiva. Nos minutos finais, após sofrer o gol, o apagão chegou ao ápice com o zagueiro Lucas Dias tentando avançar ao ataque e quase entregando uma bola para o contragolpe piauiense.

Há a necessidade de se destacar a formação do novo grupo do Moto, que conta com apenas três remanescentes da temporada de 2018. Wallace Lemos precisa de tempo e já mostrou o que pode esperar do time, mas a queda de rendimento após o gol no primeiro tempo é o ponto preocupante para a temporada do Papão.

Moto conta com cinco reforços para 2019

Depois da contratação do técnico Wallace Lemos, o Moto começa a ter uma definição da base do elenco para a temporada de 2019. Até o momento o Rubro-Negro tem 11 jogadores acertados, dos quais cinco serão novidades para o clube que defenderá o título do Campeonato Maranhense e voltará a disputar a Copa do Nordeste e Copa do Brasil.

Dentre os reforços, no gol Rodolfo e Vitor chegam para disputar a titularidada no Rubro-Negro. Vitor chega com relativa vantagem diante de Rodolfo, pois foi titular do River-PI em boa parte da temporada, com 11 jogos disputados sob o comando do técnico Wallace Lemos, onde foi eleito o melhor goleiro do Campeonato Piauiense.

Rodolfo terá uma dificuldade a mais para superar após passar uma temporada sem jogar pelo Guarani. Relacionado em alguns jogos durante o Paulistão e a Série B no banco de reservas, o goleiro não joga desde outubro de 2017, quando defendia o Atlético-MG B na Terceira Divisão mineira. O goleiro ainda conta com uma passagem pelo futebol português, onde defendeu o Atlético Viseu na II Liga e sofreu 44 gols em 34 jogos.

Na defesa aparece mais um ex-River-PI, com o zagueiro Lucas Dias, com três jogos disputados na equipe piauiense e um gol marcado. O defensor de 23 anos reencontra o técnico Wallace Lemos no Moto. A outra novidade na zaga é o zagueiro Alisson, que disputou apenas quatro jogos pelo Joinville na Série C, além de nove partidas durante o Campeonato Catarinense.

Fechando a primeira leva de reforços do Moto está o experiente Juninho Arcando, de 35 anos. Revelado pelo Atlético-MG em 2002 e com passagem na Seleção Brasileira sub-20, nas últimas temporadas o meia teve passagens discretas pelo ASA, Patrocinense, Macaé e Remo. Pelo ASA, em 2018, disputou apenas três jogos durante a Série D e foi titular no Patrocinense durante o Campeonato Mineiro.

Além das novas contratações, o Moto já conta com a confirmação do goleiro Solano, o lateral-direito Diego Renan, os volantes Rafael Santos e Victor Salvador e os atacantes Márcio Diogo e Ricardo Maranhão. Destes, somente Solano não foi titular regular durante a temporada de 2018.

Calendário do futebol brasileiro tem jogos noturnos mais cedo e velhos erros

A CBF anunciou o calendário do futebol brasileiro para 2019, mas não corrigiu os principais erros, como rodadas do Brasileirão durante datas-FIFA e a manutenção de 18 datas para as disputas dos Estaduais. Com o formato atual das Séries C e D, os clubes dessas divisões terão calendários, respectivamente, no máximo até agosto ou outubro. Assim como em 2018, os torneios de acesso não terão pausa durante a Copa América, que será realizada no Brasil.

Aqui vale destacar que as equipes da Série D, que forem eliminadas na primeira fase, terão calendário nacional somente até o dia 9 de junho. Neste caso, os times finalistas jogarão no máximo oito meses na temporada. Na Série C a situação é amenizada, mas as equipes que não avançarem para o mata-mata, jogarão somente até o dia 25 de agosto.

A Copa do Nordeste e a Copa Verde, que não constam na primeira divulgação do modelo do calendário, devem descontar datas dos Estaduais dessas regiões, assim como ocorreu em 2018. Os Estaduais estão previstos para começarem no dia 20 de janeiro e seguirem até o dia 21 de abril, na semana seguinte já estão agendadas as aberturas das Séries A, B e C. A Série D começará no primeiro fim de semana de maio.

A Copa do Brasil começará no dia 6 de fevereiro. No Maranhão, Moto e Imperatriz serão os representantes dos Estados nas fases iniciais. O Sampaio, campeão da Copa do Nordeste, entrará no torneio apenas nas oitavas de final, que serão realizadas a partir do dia 15 de maio.

Sobre o conflito das datas-FIFA com o calendário nacional, durante a Série A serão sete rodadas com jogos conflitantes (8ª, 9ª, 18ª, 24ª, 25ª, 26ª e 33ª), nos jogos de volta das oitavas de final da Copa do Brasil e durante três datas dos Estaduais. O único avanço foi a antecipação dos jogos noturnos, que começarão no máximo às 21h30, como já ocorre na Série B.

Confira o calendário detalhado do futebol brasileiro para 2019

Estaduais – 20/janeiro a 21/abril
Copa do Brasil – 6/fevereiro a 11/setembro
Série A – 28/abril a 8/dezembro
Série B – 27/abril a 30/novembro
Série C – 28/abril a 23/setembro
Série D – 5/maio a 18/agosto

Por causa de calendário e cotas, Bahia pode deixar o Nordestão

O Bahia pode ser a segunda equipe a abandonar a Copa do Nordeste. O Tricolor baiano entregou um ofício à CBF pedindo para confirmar a participação no torneio apenas em dezembro e teve o pedido aceito. Além disso, o clube não contará com representantes no sorteio dos grupos, na próxima quinta-feira em Maceió.

Assim como o Sport, que não participa do Nordestão desde 2018, uma das críticas da diretoria do Bahia é sobre os valores das cotas de participação. Em 2019, o time da Boa Terra receberá R$ 1,9mi, assim como Vitória, Santa Cruz e Ceará.

Outro ponto que preocupa o clube é a provável queda de visibilidade da competição, por causa do fim dos canais Esporte Interativo. O presidente Guilherme Bellintani também coloca como uma preocupação o excesso de jogos que o Tricolor terá em 2019, caso confirme a vaga na Sul-Americana, o que lhe daria quatro torneios somente no primeiro semestre.

Vice-campeão em 2018, perdendo para o Sampaio na decisão, o Bahia arrecadou com cotas e premiações R$ 2 milhões no Nordestão. Em um comparativo com o Campeonato Baiano, o Tricolor recebeu no regional quase três vezes mais do que o torneio local, que teve uma cota de apenas R$ 850 mil.

Com título do Nordestão e transferências, Sampaio acumula R$ 16 milhões em 2018

BAHIA X SAMPAIO CORREA – FINAL DO NORDESTÃO NA ARENA FONTE NOVA
Foto: Margarida Neide / Ag. A Tarde
Data: 07/07/2018

O inédito título da Copa do Nordeste, seguido pela venda do volante Jonas do Flamengo para o Al-Ittihad impulsionaram o caixa Tricolor em 2018. A arrecadação, com cotas, patrocínios, premiações e transferências chega aos R$ 16,25 milhões. Marca histórica para o Sampaio

Somente na Copa do Nordeste, o Sampaio arrecadou R$ 3,35 milhões, considerando as premiações de cada fase até à conquista do título. Esse valor se junta aos R$ 2,5mi faturados com a classificação até à terceira fase da Copa do Brasil, os R$ 150 mil pela participação no Campeonato Maranhense e aos R$ 6 milhões das cotas de TV da Série B.

O patrocínio da Caixa representa o acréscimo de R$ 1,5 mi. As transferências foram impulsionadas pela recente venda do volante Jonas, do Flamengo para o Al-Ittihad por R$ 9mi. Como o Tricolor maranhense negociou o jogador com direito à 15% de uma transferência futura, receberá R$ 1,3 mi referente ao negócio. Além disso, o meia Marlon foi negociado por R$ 200 mil com o Fortaleza no início da Série B.

A arrecadação de R$ 16,25mi é a maior da história do Sampaio em uma temporada. Vale lembrar que a arrecadação não inclui o balanço das bilheterias e patrocínios com valores não divulgados pelo clube.

Bahia 0x0 Sampaio: consistência defensiva garante título inédito do Nordestão ao Sampaio

Lucas Almeida / L17 Comunicação

Vitória por 1 a 0 na ida e empate sem gols na volta foram suficientes para o Sampaio garantir o título inédito da Copa do Nordeste. Uma campanha que foi marcada, principalmente pelo triunfo por 3 a 0 diante do Vitória nas quartas de final, a consistência defensiva do time maranhense foi crucial para garantir um lugar na história do Nordestão.

O Tricolor volta a conquistar um título regional após 20 anos, quando foi campeão da Copa Norte em 1998. No Nordestão, em sua quarta participação, o Tricolor, além de fazer a melhor campanha de toda sua história, surpreendeu após chegar pela primeira vez na segunda fase e derrubar cada adversário a partir dali.

A bola parada e a consistência defensiva foram cruciais nos dois jogos da final. Na ida, foi com um escanteio logo aos dois minutos que saiu o único gol do jogo. Na partida de volta, além da segurança da dupla de zagueiros, Andrey fez um grande jogo, sendo fundamental para garantir o empate sem gols.

Na fase decisiva da Copa do Nordeste, dos seis gols marcados pelo Sampaio, cinco gols foram originados em lances de bola parada. No jogo deste domingo contra o Bahia, a segurança de William Oliveira na frente da zaga e o apoio defensivo de João Paulo na direita, para bloquear os avanços de Élber pelo setor, foi fundamental.

O Bahia, apesar de ter um time mais ofensivo, com Élber, Regis, Zé Rafael e Edigar Junio, parou na defesa boliviana e na falta de criatividade baiana. As jogadas eram exclusivamente pela lateral do campo, em busca de cruzamentos, ou na tentativa da bola parada, dependendo de Régis, que só conseguiu assustar Andrey em uma oportunidade.