Tag: Copa do Brasil

Com título do Nordestão e transferências, Sampaio acumula R$ 16 milhões em 2018

BAHIA X SAMPAIO CORREA – FINAL DO NORDESTÃO NA ARENA FONTE NOVA
Foto: Margarida Neide / Ag. A Tarde
Data: 07/07/2018

O inédito título da Copa do Nordeste, seguido pela venda do volante Jonas do Flamengo para o Al-Ittihad impulsionaram o caixa Tricolor em 2018. A arrecadação, com cotas, patrocínios, premiações e transferências chega aos R$ 16,25 milhões. Marca histórica para o Sampaio

Somente na Copa do Nordeste, o Sampaio arrecadou R$ 3,35 milhões, considerando as premiações de cada fase até à conquista do título. Esse valor se junta aos R$ 2,5mi faturados com a classificação até à terceira fase da Copa do Brasil, os R$ 150 mil pela participação no Campeonato Maranhense e aos R$ 6 milhões das cotas de TV da Série B.

O patrocínio da Caixa representa o acréscimo de R$ 1,5 mi. As transferências foram impulsionadas pela recente venda do volante Jonas, do Flamengo para o Al-Ittihad por R$ 9mi. Como o Tricolor maranhense negociou o jogador com direito à 15% de uma transferência futura, receberá R$ 1,3 mi referente ao negócio. Além disso, o meia Marlon foi negociado por R$ 200 mil com o Fortaleza no início da Série B.

A arrecadação de R$ 16,25mi é a maior da história do Sampaio em uma temporada. Vale lembrar que a arrecadação não inclui o balanço das bilheterias e patrocínios com valores não divulgados pelo clube.

Com classificação no Nordestão, Sampaio acumula R$ 3,8 milhões em premiação em 2018

A vaga inédita nas quartas de final da Copa do Nordeste garantiu mais R$ 450 mil nos cofres do Sampaio para a sequência da temporada. Com o acréscimo do valor, o Tricolor chega ao acumulado de R$ 3,8 milhões em premiação em 2018, considerando os valores recebidos na primeira fase da Copa do Nordeste e na Copa do Brasil.

Com a participação na fase de grupos da Copa do Nordeste, o Sampaio recebeu a cota de R$ 850 mil. No torneio regional, o Tricolor já arrecadou R$ 1,3 milhão em 2018. No Nordestão o time maranhense ainda pode aumentar a arrecadação caso seja semifinalista, garantindo uma premiação de R$ 550 mil e na decisão o valor é conforme o resultado: R$ 1,5 milhão para o campeão e R$ 600 mil para o vice.

Na Copa do Brasil, pela participação na primeira fase o Sampaio recebeu R$ 500 mil e com a classificação para a segunda e terceira fase, respectivamente, R$ 600 mil e R$ 1,4 milhão. No total, o Tubarão acumulou R$ 2,5 milhões no torneio nacional.

Além dos valores do Nordestão e da Copa do Brasil, o Sampaio contabiliza R$ 150 mil recebidos pela participação no Campeonato Maranhense e R$ 6 milhões referentes às cotas de TV na Série B. Somente com premiações e cotas, o Tricolor tem um faturamento estimado R$ 9,9 milhões em para 2018.

Ponte Preta 0x0 Sampaio: displicência nas finalizações e desespero sem gol eliminam o Tricolor

Lucas Almeida / L17 Comunicação

A eliminação do Sampaio nos pênaltis foi a consequência das oportunidades perdidas e do desespero após os 20 minutos do segundo tempo. Quando Fernando Sobral bateu mal e viu a cobrança ser defendida por Ivan, também decretou a despedida do time maranhense na terceira fase da Copa do Brasil.

Agora o Sampaio terá foco por um mês apenas na Copa do Nordeste, onde está com a classificação nas mãos para a segunda fase do torneio. Até a estreia na Série B, as eliminações no Campeonato Maranhense e na Copa do Brasil servem para mostrar a limitação do time, que precisará se reforçar bem para realizar uma boa temporada.

Apesar da derrota por 5 a 3 nos pênaltis, o Sampaio foi melhor em campo. Em um primeiro tempo de muita marcação, as três oportunidades do jogo foram dos donos da casa, mas Alyson perdeu duas vezes e Fernando Sobral parou na defesa de Ivan.

O Tricolor seguiu apostando na marcação individual, com os laterais marcando os pontas da Ponte Preta, enquanto Silva e Yuri marcavam Nathan e Lucas Mineiro. Ofensivamente, Alyson e Sobral eram os caminhos do ataque do time comandado por Francisco Diá.

No segundo tempo, como aconteceu na maioria dos jogos em que não conseguiu chegar ao gol, o Sampaio apostou em cruzamentos e finalizações de longe sem perigo. Um time sem um cabeceador nato, bolas aéreas são apenas para apostas aleatórias de que algum cabeceio seja acertado. A melhor chance do jogo, Alyson perdeu.

O 0 a 0 persistiu nos 90 minutos e nos pênaltis classificação da Ponte Preta. Agora o Tricolor precisa ter cuidado na montagem do elenco para a sequência da temporada.

Ponte Preta 0x0 Sampaio: poucas chances e bom empate para o Tricolor na Copa do Brasil

Um empate sem gols em um jogo de poucas chances para os dois times. Para o Sampaio, um bom resultado em Campinas, já que terá a partida de volta em casa, onde precisará de uma vitória simples para garantir a classificação inédita para a quarta fase do torneio nacional.

O resultado sem gols se deve principalmente à estratégia adotada pelo técnico Francisco Diá. Eduardo Baptista até tentou superar a marcação individual do Tricolor e esteve próximo da vitória, até aos 25 minutos do primeiro tempo, período em que Rodrigo Fumaça ficou em campo.

Com Junio Rocha deficiente na marcação, Orinho, Daniel e Tiago Real tinham espaços de sobra pela direita para criarem oportunidades para a Ponte Preta. O problema que essas chances, não resultavam em finalizações perigosas, exceção um chute cruzado de Daniel após invadir a área.

Ponte Preta teve maior domínio de jogo, principalmente pela direita, antes da entrada de César Sampaio

O problema foi amenizado com a entrada de César Sampaio, que passou a fazer marcação individual em Tiago Real. Ainda assim, quando meia saía do setor e Felipe invertia o lado, o Sampaio via o perigo próximo de sua área.

Com exceção de um chute de Sobral e um cruzamento que virou finalização de Kaike, o Sampaio chegava somente com bolas paradas. Marlon no escanteio e Junio Rocha nas faltas não conseguiram criar as chances necessárias para chegar ao gol. Pela postura do Tricolor, o empate foi o resultado pelo qual o time foi jogar em Campinas e ele foi conquistado.

Sampaio 1×0 Paraná: Diá repete melhor campanha na Copa do Brasil com o Tricolor

Existe um ditado que diz que Deus escreve o certo por linhas tortas. A vitória do Sampaio por 1 a 0 diante do Paraná, provavelmente está em um desses roteiros. Em um jogo com controle total do Tricolor, um pênalti polêmico foi o responsável por definir a classificação do Tubarão para a terceira fase, que repete a sua melhor campanha no torneio, feita em 2017 sob o comando do técnico Francisco Diá.

Mais uma vez a marcação foi a chave para a vitória do Sampaio. Além dos méritos do Tricolor, o Paraná se recusava a tentar atacar, principalmente no primeiro tempo, quando fechou o jogo com apenas duas finalizações, contra sete do time maranhense.

Apesar de ter criado as melhores oportunidades quando atacou pelo meio com Fumaça e Uilliam ou Marlon e Uilliam, o Sampaio forçou demais o jogo pela direita, buscando cruzamentos de Junio Rocha. Como o Tricolor não possui um cabeceador e a maioria dos cruzamentos foram errados, naturalmente esse tipo de jogada assustava somente por botar a bola na área para ser afastada pela zaga do Paraná.

Quando atacou pelo meio, Uilliam perdeu as duas melhores chances do time, uma no primeiro tempo e outra no segundo tempo. Rodrigo Fumaça, como esperado, vai se firmando na equipe, com boas chances de virar titular caso o Tricolor contrate um finalizador melhor que Uilliam.

A vitória só foi consolidada após um pênalti marcado para o Sampaio, equivocadamente. Marlon finalizou e a bola bateu em dois zagueiros do Paraná, ambos com o braço colado na barriga. Na cobrança, Uilliam fez o único gol do jogo, se redimindo das chances perdidas e selando a vitória.

Independente do equívoco na marcação do pênalti, o triunfo do Sampaio foi um resultado justo. Diá repete 2017 levando o Tricolor para a terceira fase e agora terá pela frente a Ponte Preta, que também será um dos rivais da equipe durante a Série B de 2018.

Sampaio avança e Cordino se despede da Copa do Brasil

Por alguns momentos Sampaio e Cordino chegaram a garantir a classificação simultânea para a segunda fase da Copa do Brasil, mas no apito final somente o Tricolor segue no torneio. O Tubarão superou o Independente-PA, enquanto a Onça acabou ficando no empate com o Náutico, em São Luís.

O Cordino chegou a abrir 1 a 0 diante do Náutico com Ulisses cobrando pênalti. Na etapa final, após uma falta de Wallace Pernambucano, Camutanga empatou o jogo. Eliminação da equipe de Barra do Corda, que segue sem vencer em 2018, acumula seu terceiro empate na temporada e a segunda eliminação.

No interior paraense, o Sampaio contou com um gol de Marlon no primeiro tempo para selar a vitória mínima diante do Independente-PA. Foi a segunda vitória do Tricolor em 2018, que terá pela frente o Paraná ou o URT na segunda fase da Copa do Brasil.

A classificação do Sampaio também garante ao Tricolor mais R$ 600 mil para a sequência de 2018. Antes de voltar as atenções para a Copa do Brasil, o Tubarão terá o clássico contra o Moto pelo Campeonato Maranhense e o Cordino agora foca todas as atenções no Estadual, onde enfrenta o Bacabal.

Os adversários dos maranhenses na Copa do Brasil

A partir desta terça-feira a bola rola na Copa do Brasil, que contará com a participação do Sampaio e Cordino como os representantes maranhenses no torneio. Além da projeção nacional, o torneio é a oportunidade de uma renda extra para os clubes, que já garantem R$ 500 mil pela participação na primeira fase e caso avancem terão conquistado mais R$ 600 mil pela vaga na segunda fase.

O Sampaio chega para a estreia na Copa do Brasil de 2018 embalado pelo acesso para a Série B e com o bom histórico de 2017, quando chegou à terceira fase pela primeira vez. Na primeira fase, o Tricolor terá pela frente o Independente-PA e caso se classifique, deverá enfrentar o Paraná, que encara o URT na abertura da competição.

O Cordino, que disputará o torneio pela primeira vez em sua história, espera contar com uma partida inspirada do trio Michel, Jonas e Ulisses, os melhores jogadores da equipe. Em 2018 a Onça ainda não triunfou nos quatro jogos que disputou, acumulando apenas dois empates e duas derrotas. Caso elimine o Náutico, o time de Barra do Corda terá pela frente o Santa Cruz ou Fluminense de Feira.

Independente-PA: força em casa é a aposta do Galo Elétrico


O Galo Elétrico, que volta a cruzar o caminho do Sampaio, agora na Copa do Brasil, está invicto em 2018. Nos quatro jogos do Campeonato Paraense, fora duas vitórias e dois empates, com destaque para o triunfo por 2 a 0 diante do Remo na segunda rodada. Jogando como mandante, a última derrota do Independente-PA foi na Copa do Brasil de 2017, diante do Paysandu.

Dentro de campo, um dos destaques da equipe comandada por Junior Amorim é o lateral-direito Léo Rosa, que defendeu o Remo em 2017. Titular nos últimos jogos, o lateral é uma das princ ipais alternativas ofensivas do time paraense.

Náutico: em busca de tranquilidade na temporada


Fora de casa o Náutico não faz uma boa campanha em 2018, com dois empates e uma derrota quando atua como visitante. O jogo diante do Cordino acontecerá em campo neutro, já que a equipe de Barra do Corda pediu a transferência da partida para o Castelão, em São Luís.

O meia Wallace Pernmabucano é o artilheiro do alvirrubro em 2018, com quatro gols marcados, dois deles no clássico contra o Sport. Aos 30 anos, o jogador balançou as redes em três dos últimos quatro jogos disputados e deve ser a principal ameaça para a defesa do Cordino no confronto da Copa do Brasil.

Yuri e Felipe Alves: segurança no meio-campo e criação de oportunidades no ataque para o Sampaio

Últimos reforços anunciados pelo Sampaio para 2018, o volante Yuri e o atacante Felipe Alves chegam ao Tricolor com status de jogadores importantes e, provavelmente, serão titulares assim que a bola rolar. No CRB, Yuri foi o segundo maior ladrão de bolas do time alagoano na Série B de 2017, enquanto Felipe Alves foi o terceiro jogador com mais assistências pelo Paraná.

Aos 27 anos, Felipe Alves retorna ao futebol nordestino, onde se destacou em 2015 pelo Campinense, comandado pelo técnico Francisco Diá. Na Raposa, onde viveu sua fase mais goleadora, foram 26 jogos e 14 gols marcados naquela temporada. O ano ainda terminou com o atacante no Boa Esporte, onde marcou quatro gols em 13 jogos durante a Série B. Até agora essa foi a principal temporada de Felipe Alves.

Em 2016, as coisas não foram tão bem para o avançado. Contratado pelo Joinville, marcou apenas três gols em 17 jogos, antes de seguir para o Tombense, na Série C. A fase melhorou ligeiramente e Felipe marcou três gols em 11 jogos no time mineiro. No total, foram 28 jogos e apenas seis gols marcados.

A chegada ao Paraná em 2017 voltou a indicar uma recuperação da boa fase do atacante. Apesar dos poucos gols, apenas sete em 37 jogos, na Série B, o atacante também apareceu como criador de oportunidades. Foram quatro assistências, sendo o terceiro melhor do Paraná no quesito, participando, diretamente, de sete gols em 21 jogos na competição.

Na maioria dos jogos que apareceu, Felipe Alves entrou pelo lado esquerdo e em algumas oportunidades jogava centralizado. Com Francisco Diá já há um histórico goleador, agora é esperar para ver se o atacante repetirá essa fase no Sampaio.

No meio-campo, a chegada de Yuri, nitidamente é uma substituição para a saída de Diego Silva. No CRB, o volante foi o segundo maior ladrão de bolas do time, com 44 recuperações durante a Série B de 2017. A principal diferença entre o novato e o seu antecessor é o apoio ao ataque. Ofensivamente o volante é peça praticamente nula, com apenas cinco finalizações durante a Série B e apenas uma na direção do gol.

Junto com o goleiro Andrey, Yuri e Felipe Alves devem ser os principais reforços do Sampaio para o início da temporada de 2018. A tendência é que o trio se firme entre os titulares e seja parte da espinha dorsal que irá compor a equipe durante a Série B.

Participação de Sampaio e Moto na Série C, garantem a maior pontuação história da FMF no Ranking da CBF

Lucas Almeida / L17 Comunicação

Em campo Sampaio e Moto tiveram desempenhos distintos na Série C, com o Tricolor alcançando o acesso para a Série B, enquanto o Rubro-Negro foi rebaixado para a Série D. Apesar da diferença, a participação da dupla maranhense no torneio foi importantíssima para a Federação Maranhense alcançar sua maior pontuação no Ranking Nacional de Federações e retomar o 15º lugar com a maior marca em sua história: 6132 pontos.

O acréscimo de 493 pontos também foi impulsionado pela participação de MAC e Cordino na Série D. Assim como no Ranking de 2017, que foi divulgado no fim da temporada de 2016, o Maranhão segue com apenas cinco clubes na lista, onde o Cordino entrou no lugar do Santa Quitéria, que fez sua única aparição em torneios nacionais na Copa do Brasil de 2012.

Desde o ranking de 2015, Sampaio, Moto e Maranhão seguem como os três melhores clubes do Estado, com uma alteração na segunda colocação. No Ranking de 2016, o Rubro-Negro assumiu a segunda colocação, posto mantido nas três últimas listas, deixando o MAC em terceiro. O Cordino, novidade do ranking de 2018, por causa da participação na Série D de 2017, aparece na frente do Imperatriz, com 255 pontos, dois a mais do que o Cavalo de Aço.

O Sampaio, mesmo disputando a Série C, impulsionado por sua boa campanha na Copa do Brasil, onde chegou até a terceira fase, soma 3753 pontos e fica na 39ª colocação. O Moto aparece na 66ª posição com 1211 pontos, o MAC vem em 95º com 660 pontos, seguido pelo Cordino em 157º e o Imperatriz em 253º.

O Ranking da CBF é importante na distribuição do sorteio da Copa do Brasil, onde os clubes são divididos por potes. Em 2018, Sampaio e Cordino serão os representantes do Maranhão no torneio e os confrontos da primeira fase, além dos cruzamentos até à terceira fase, serão definidos no dia 15 de dezembro.

Confira a evolução dos clubes e da Federação Maranhense nos últimos cinco anos no Ranking da CBF.

Sampaio com vantagem

O Sampaio iniciará sua pré-temporada no dia 27 de novembro. Até a estreia na Copa do Nordeste, no dia 17 de janeiro de 2018, serão 51 dias de treinos físicos, táticos e, provavelmente, alguns amistosos. Tempo de pré-temporada de sobra. Algo que o Ceará, seu principal adversário na primeira fase do Nordestão, não terá.

CSA e Salgueiro, que também estão no grupo D, podem até repetir o planejamento Tricolor, mas até o momento não há definição sobre o início dos treinos desses clubes. O Ceará, que disputa a Série B, terminará a temporada de 2017 no dia 28 de novembro, data da última rodada. Pode comemorar o acesso, mas terá menos da metade do tempo de preparação que o Sampaio.

Na Copa do Brasil a vantagem da preparação extra também deverá ser mantida. A tendência é que o Tricolor realize sua estreia no torneio fora de casa, ficando no pote C ou D, onde enfretaria equipes do pode G ou H, que estão abaixo no Ranking Nacional de Clubes.

O Sampaio é uma exceção, entre os 40 clubes que disputarão as Séries A ou B em 2018, por conseguir realizar uma pré-temporada tão longa. Essa pequena vantagem poderá ser decisiva para a equipe conseguir uma inédita classificação para a segunda fase da Copa do Nordeste e, simultaneamente, garantir um bom desempenho no Estadual e na Copa do Brasil.