Mês: setembro 2018

Oeste 0x0 Sampaio: Tricolor domina, peca nas finalizações e fica no empate

Um jogo de ataque contra defesa no primeiro tempo, um pouco mais equilibrado na etapa final e sem gols no fim das contas. O empate diante do Oeste mantém o Sampaio em situação complicada na Série B, a seis pontos do Juventude, primeiro time fora da zona de rebaixamento.

Tamanho controle do Sampaio foi refletido nos números do jogo, com o time maranhense fechando a partida com 64% de posse e incríveis 20 finalizações. O problema foi a pontaria, onde as oportunidades criadas apenas três foram finalizadas na direção do gol, obrigando o goleiro Tadeu a fazer boas defesas.

Contra um Oeste apostando nos contra-ataques desde o início do jogo, faltou ao Sampaio qualidade na pontaria. Somente no primeiro tempo, o Tricolor fechou os 45 minutos com 67% de posse e 13 finalizações, mas apenas um dos chutes foi na direção do gol, forçando o goleiro Tadeu a fazer boa defesa. Sobral e Luis Gustavo eram fundamentais nas oportunidades criadas pela direita, enquanto João Paullo tentava ajudar pela esquerda, mas acumulou mais erros do que acertos.

Eloir e Luis Gustavo fizeram uma partida a parte, como dois dos melhores jogadores do Tricolor. Principalmente no primeiro tempo, Luis Gustavo fechava a lateral e também tentava buscar o jogo por dentro nas saídas de bola. Eloir, diferente de partiads anteriores, conseguiu criar boas oportunidades para os companheiros e acabou perdendo três chances claras de gol, das quais duas foram para fora e outra parou na trave do goleiro Tadeu.

Se o primeiro tempo foi de domínio total do Sampaio, a história mudou na etapa final. Com dificuldade para invadir a área do Tricolor, o Rubrão chegava principalmente com finalizações de fora da área, deixando Andrey aparecer com boas defesas. Mesmo com menos posse, apenas 37% no segundo tempo, o Oeste fechou os 45 minutos finais com 10 finalizações contra cinco do time maranhense, mas ninguém conseguiu balançar as redes na Arena Barueri.

Por causa de calendário e cotas, Bahia pode deixar o Nordestão

O Bahia pode ser a segunda equipe a abandonar a Copa do Nordeste. O Tricolor baiano entregou um ofício à CBF pedindo para confirmar a participação no torneio apenas em dezembro e teve o pedido aceito. Além disso, o clube não contará com representantes no sorteio dos grupos, na próxima quinta-feira em Maceió.

Assim como o Sport, que não participa do Nordestão desde 2018, uma das críticas da diretoria do Bahia é sobre os valores das cotas de participação. Em 2019, o time da Boa Terra receberá R$ 1,9mi, assim como Vitória, Santa Cruz e Ceará.

Outro ponto que preocupa o clube é a provável queda de visibilidade da competição, por causa do fim dos canais Esporte Interativo. O presidente Guilherme Bellintani também coloca como uma preocupação o excesso de jogos que o Tricolor terá em 2019, caso confirme a vaga na Sul-Americana, o que lhe daria quatro torneios somente no primeiro semestre.

Vice-campeão em 2018, perdendo para o Sampaio na decisão, o Bahia arrecadou com cotas e premiações R$ 2 milhões no Nordestão. Em um comparativo com o Campeonato Baiano, o Tricolor recebeu no regional quase três vezes mais do que o torneio local, que teve uma cota de apenas R$ 850 mil.

Atacantes maranhenses em destaque no Campeonato Português

Dyego Sousa e Wenderson Galeno, ambos maranhenses, e com bom início na temporada 2018-19 no futebol português. Defendendo o Braga, Dyego é o artilheiro do Campeonato Português com cinco gols marcados, enquanto Galeno é o goleador do Rio Ave com quatro gols nos nove jogos iniciais da temporada.

Dyego está em sua segunda temporada no Braga e com apenas oito jogos já atingiu metade dos gols marcados em 2017-18, quando chegou ao clube após quatro anos no Marítimo. Na temporada anterior foram apenas 12 gols pelo Braga, igualando sua melhor marca no futebol português, de 2015-16.

Na temporada 2018-19, Dyego abriu sua contagem de gols marcando duas vezes na primeira rodada diante do Nacional. Na última segunda-feira, marcou o gol do triunfo por 1 a 0 diante do Sporting, que levou o Braga à vice-liderança do Campeonato Português.

Antes de chegar ao futebol português, o atacante foi revelado pelo Moto em 2004 e chegou a fazer testes na base do Palmeiras e do Nacional, de Portugal, mas sem ser aproveitado. Em 2009 voltou a defender o Rubro-Negro maranhense, antes de seguir para o Andraús e posteriormente o Operário-PR, seu último clube no Brasil.

Outro maranhense que tem um bom início na temporada do futebol português é o barra-cordense Wenderson Galeno, de 20 anos. Emprestado pelo Porto ao Rio Ave, o atacante tem uma multa de 40 mi e é um dos principais jogadores do clube da Ilha da Madeira. No Campeonato Português já são dois gols e duas assistências, além de ter marcado dois gols na fase qualificatória da Liga Europa, onde o Rio Ave caiu na segunda eliminatória. No total, são sete jogos, quatro gols e quatro assistências na temporada.

Natural de Barra do Corda, Galeno não atuou em nenhum clube maranhense antes de sair do Estado para defender o Trindade e o Grêmio Anápolis, antes de chegar ao Porto em 2016. Em 2017, com 19 anos, o atacante assinou contrato de cinco anos com os Dragões e teve as primeiras oportundiades no time principal, com quatro jogos disputados e um gol marcados.

Até o fim da temporada, Galeno seguirá no Rio Ave. Posteriormente, o destino natural, é o retorno ao Porto onde deve ser aproveitado, caso mantenha o bom rendimento do início da temporada.