Dia: 8 de maio de 2018

Francisco Diá deixa o Sampaio com o segundo menor aproveitamento do Tricolor na Série B

Demitido após a derrota por 3 a 2 para o CRB, o técnico Francisco Diá deixa o Sampaio como o treinador com menor aproveitamento em jogos da Série B no comando da equipe. A comparação foi feita considerando somente os jogos da competição e com um mínimo de cinco partidas, além de excluir os interinos, como foram Arlindo Maracanã e Vinícius Saldanha em algumas oportunidades.

O melhor aproveitamento de um técnico no comando do Sampaio na Série B ainda fica com Flávio Araújo, que saiu após a 12ª rodada do torneio em 2014, por motivos pessoais. Francisco Diá, com os quatro pontos conquistados nas cinco primeiras rodadas, supera apenas Wagner Lopes, que teve um aproveitamento de apenas 23,5% e que comandou a equipe em 17 jogos em 2016.

No geral, Francisco Diá deixa o Sampaio com um aproveitamento intermediário, com 48,1%, onde foram 20 vitórias, 18 empates e 16 derrotas em 54 jogos no comando do Tricolor. Pesou para a saída do treinador principalmente a eliminação no Campeonato Maranhense e antes do início da Série B, a diretoria chegou a buscar outras opções para o comando da equipe.

Apesar da eliminação no Estadual, Diá foi responsável por levar o Sampaio duas vezes seguidas para a terceira fase da Copa do Brasil, onde o Tricolor nunca havia chegado e a classificação inédita para a segunda fase da Copa do Nordeste. A troca ocorre no único momento em que poderia acontecer, já que o seu substituto terá uma semana de treinos até o confronto contra o Vitória, pelas quartas de final da Copa do Nordeste.

Confira o rendimento dos técnicos do Sampaio na Série B*
Flávio Araújo (2014) – 52,7%
Leo Condé (2015) – 49,5%
Lisca (2015) – 46,3%
Flávio Araújo (2016) – 27,7%
Francisco Diá (2017-18) – 26,6%
Wagner Lopes (2016) – 23,5%

*mínimo de cinco jogos disputados

Sampaio sob pressão

Lucas Almeida / L17 Comunição

A derrota por 3 a 2 diante do CRB, quatro jogos sem vencer na Série B e a proximidade do time da zona de rebaixamento. Os elementos deixam a pressão no Sampaio a cada dia maior. Apesar da campanha histórica na Copa do Nordeste, onde chegou até às quartas de finais, e na Copa do Brasil, onde, pela segunda vez em sua história, avançou para a terceira fase, o técnico Francisco Diá vive dias de incerteza no comando do Tricolor.

A campanha na Série B não chega a ser o principal motivo para tal pressão, uma vez que o elenco Tricolor, desde antes da competição começar, era nitidamente limitado. E aí que mora a grande reclamação de boa parte dos torcedores. Durante o Campeonato Maranhense foram várias apostas em jogadores de 20 a 22 anos, mas que chegavam sem projeção de aproveitamento real.

Marcelinho, Nonato, Alexandre Pinho, Erickys, Shalon, entre outros. Do quinteto, apenas Nonato segue no atual elenco do Sampaio, alternando jogos no banco de reservas e outros sem ser relacionado. Quando começaram as contratações para a Série B, logo após a eliminação no Campeonato Maranhense, houveram reforços bem contestáveis. O que exemplifica esse caso é o atacante Claudio Maradona que chegou, fez apenas dois jogos e pediu as contas.

A falta de elenco fica nítida quando há a necessidade de rodar as peças. No gol, Andrey não tem um substituto de segurança, o que ficou claro quando foi necessário contar com André Luiz ou Warleson no gol. Na zaga, Fredson e Odair estão abaixo dos dois titulares, Joécio e Maracás. O meio-campo, talvez seja o setor mais equilibrado, principalmente no nível dos volantes, mas com a saída de Marlon, ainda não há um jogador com as características do meia no elenco.

Completando, o ataque passa por um momento de reformulação. Apesar dos gols perdidos por Alvinho, o jogador contratado após defender o São Bernardo parece ser a melhor opção no elenco para a função de nove, com Carlão virando opção quando precisar de força ofensiva por cima. Uilliam, que é um dos artilheiros do time na temporada, precisa provar que pode balançar as redes contra adversários complicados, o que ainda não foi uma regularidade na temporada.

Se houver a troca de um treinador, o Sampaio vive o momento ideal para isso, pois será com 10 dias de folga até o próximo jogo, tempo mínimo para uma transição de métodos. Após isso, o Tricolor volta a maratona de jogos e aí, qualquer troca de técnico, será apenas uma mudança de gestor da equipe, já que praticamente não haverá tempo para treinos intensos até o início de junho.

Sampaio 2×3 CRB: nova derrota e Tricolor próximo da zona de rebaixamento

Lucas Almeida / L17 Comunicação

Finalizações erradas, falhas do goleiro André Luiz e polêmicas de arbitragem. Foi um jogo com tudo, menos um bom futebol, seja do Sampaio ou do CRB. A derrota com o gol aos 50 minutos deixa o Tricolor próximo de entrar na zona de rebaixamento, caso o Guarani apenas empate com o Criciúma no complemento da quinta rodada.

O CRB começou o jogo explorando exatamente o ponto mais vulnerável do Sampaio: as laterais. Com Bruno Paulo e Ratinho, Alyson e Bruno Moura tinham trabalho no setor defensivo do Tricolor. O primeiro gol alagoano vem exatamente de jogada de Bruno Paulo pela esquerda e conta com a grande falha de André Luiz para abrir o placar.

Com 1 a 0, o CRB deu a bola para o Sampaio, que apresentava extrema dificuldade após passar o meio-campo. Os passes rasteiros eram facilmente interceptados pela zaga ou por Feijão na equipe alagoano. A saída foi tentar cruzamentos. Um desses deu certo, a bola chegou para João Paulo, que empatou o jogo.

Na etapa final, a proposta do CRB era se defender. Apenas Tinga ficava à frente da segunda linha de quatro da equipe comandada por Junior Rocha, para tentar encaixar o contragolpe. A entrada de Uilliam melhorou o jogo pela direita do Tricolor, mas as oportunidades eram desperdiçadas ou então João Carlos aparecia com boas defesas.

Os alagoanos chegaram a virar o jogo após a tentativa errada de Joécio afastar e na dividida com André Luiz, Neto fez o segundo do CRB. Ainda houve tempo para outros dois gols, todos em jogada de bola parada. Maracás empatou após escanteio e no último lance, Flavio Boaventura garantiu a vitória alagoana após a cobrança de escanteio.

A derrota deixa o técnico Francisco Diá extremamente pressionado no cargo. O Sampaio terá agora 10 dias até o jogo contra o Vitória, pelas quartas de final da Copa do Nordeste.