Mês: dezembro 2017

Léo Condé leva base do Sampaio de 2015 para o Botafogo-SP

Responsável pela melhor campanha do Sampaio na Série B, na era dos pontos corridos, levando o time ao oitavo lugar em 2015, o técnico Léo Condé comandará o Botafogo-SP em 2018. Para a disputa do Paulistão, seu primeiro desafio na temporada, o treinador contará com nomes de confiança na composição do elenco, onde se destacam três atletas com os quais trabalhou no Tricolor maranhense: o zagueiro Plínio, o volante Diones e o atacante Jheimy.

Aos 33 anos, Plínio trabalhará pela terceira vez na carreira com Condé. Em 2015, antes de chegar ao Sampaio por indicação do treinador, o defensor foi um dos destaques do Caldense, que foi vice-campeão mineiro. No Sampaio, o zagueiro foi titular durante a Série B, acumulando 22 jogos e um gol marcado. Nos dois últimos anos defendeu o Botafogo-PB.

No meio-campo, o destaque é para Diones, melhor jogador do Tricolor em 2015. Após deixar o Sampaio, teve uma boa passagem pelo Joinville, onde acabou sofrendo uma lesão durante a Série B de 2016, passou rapidamente no Ceará e recuperou a boa fase no Boa Esporte, onde foi titular da equipe mineira na Série B de 2017, com quatro gols em 29 jogos disputados.

Fechando a trinca que defendeu o Sampaio em 2015 está o atacante Jheimy. Com a camisa Tricolor, o jogador alternou entre o banco e a titularidade, até se firmar de vez no fim de 2015. Nos anos seguintes defendeu o Criciúma e fechou 2017 no Oeste, de onde sai para voltar a trabalhar com Léo Condé após três anos.

Além de contar com o quarteto, há a possibilidade do Botafogo-SP ainda ter o atacante Pimentinha. O jogador rescindiu o contrato com o Sampaio, que tinha duração até 2018, e está livre para buscar um novo clube. Léo Condé gosta do atacante, mas não há nenhuma definição concreta sobre essa situação para 2018 até o momento.

Formado na base do Vasco, volante maranhense busca novo clube para 2018

Após três anos na base do Vasco e sem chegar a um acordo para a renovação após estourar a idade no sub-20 do cruzmaltino, o volante Iago Índio busca um novo desafio para 2018. Além do Vasco, o meio-campista conta com passagens no sub-17 do Criciúma, em 2012, e no Noroeste em 2013 e 2014.

Após seis meses no Vasco, somente em 2015 o volante começou a ter as primeiras oportunidades nos torneios sub-20 e chegou a treinar entre os profissionais. Titular naquela temporada, Iago ajudou o Vasco a chegar às semifinais do Carioca sub-20, mas não tiveram êxito na Copa do Brasil sub-20, onde foram eliminados na segunda fase pelo Atlético-PR, e no Campeonato Brasileiro sub-20.

A boa temporada de 2015 não teve sequência no ano seguinte. O sinal definitivo que a boa fase no Vasco tinha encerrado foi com a chegada do técnico Milton Mendes, em 2017. Sem idade para atuar no time sub-20 e com a negativa do treinador para seu aproveitamento no time principal, o volante, que tinha contrato até 2018, foi liberado pelo Cruzmaltino.

Com a saída do Vasco, Iago está livre para buscar novos clubes em 2018. Primeiro volante, com a força como principal característica, o jogador deve aproveitar os Estaduais para tentar se firmar em seu novo clube na temporada que se aproxima.

Os principais jogadores maranhenses no mercado da bola

Com a véspera dos estaduais e o período de dezembro e janeiro, quase exclusivos para períodos de negociações e montagens dos elencos do Brasil todo, alguns jogadores maranhenses movimentam bem o mercado da bola. O zagueiro Pablo, campeão brasileiro com o Corinthians, é o principal nome do Estado ainda com futuro indefinido, o atacante Rafael Costa trocou o Ceará pelo São Caetano e Diones acertou com o Botafogo-SP.

O zagueiro Pablo, que fez o melhor ano de sua carreira com a conquista do Brasileirão como titular da zaga corintiana, ainda não sabe qual clube irá defender em 2018. Com contrato com o Bordeaux, o defensor já foi especulado no Flamengo, Palmeiras e Atlético-MG, mas até agora nada foi confirmado por nenhuma das partes.

Ainda na Série A, o atacante Maranhão, que estava emprestado pelo Fluminense à Ponte Preta, não ficará no clube paulista após o rebaixamento para a Série B. Na temporada foram apenas 20 jogos e nenhum gol marcado. Aos 27 anos, o atacante terá seu último ano de contrato em 2018 para justificar o investimento de R$ 200 mil feito pelo Tricolor em 2016, quando o contratou após se destacar na Chapecoense.

Outro atacante que trocará de clube é Rafael Costa, que defendeu o Ceará nas três últimas temporadas. Com problemas de lesões em 2017, o jogador disputou apenas quatro jogos e marcou um gol. Em 2018, o primeiro clube do centroavante de 30 anos será o São Caetano, no Campeonato Paulista.

Além de Rafael Costa, o Campeonato Paulista também contará com o Botafogo-SP reforçado pelo volante Diones, titular do Boa durante a Série B de 2017, além do atacante Jheimy, que alternou momentos como titular e reserva no Oeste, também na Série B. Outro maranhense que deixou o Boa foi o atacante Casagrande, que chegou ao clube mineiro após disputar a Série D pelo Cordino, e foi anunciado como reforço do Brasil de Pelotas para 2018.

Para avançar na Copa do Nordeste, Cordino precisará superar pouco tempo de treinos

Apesar de não entrar em campo desde o dia 25 de junho, o Cordino iniciou a preparação para a temporada de 2018 somente no dia 8 de dezembro, em Barra do Corda. Para a Onça, o ano que se aproxima está repleto de expectativas, já que disputará, pela primeira vez, a Copa do Nordeste e a Copa do Brasil.

O Cordino será o primeiro time maranhense a entrar em campo em 2018 para encarar o Treze, no dia 4 de janeiro na pré-Copa do Nordeste. Por causa do atraso na apresentação da equipe, até o primeiro jogo a Onça terá apenas 28 dias de preparação sob o comando do técnico Leandro Lago, que chegou para seu segundo desafio em Barra do Corda.

Em comparação com o Treze, que também conta com novo treinador, sendo comandado por Oliveira Canindé, os paraibanos apresentaram o elenco no dia 20 de novembro e chegarão ao primeiro jogo com 46 dias de treinos. O período extra de atividades do Galo da Borborema poderá ser um fator crucial no primeiro confronto oficial das equipes na temporada.

Junto ao pouco tempo de treino o Cordino também enfrentará dificuldades por não jogar em casa na partida que define o último integrante do grupo A. Como o estádio Leandrão tem capacidade para apenas 600 torcedores e o regulamento da Copa do Nordeste exige capacidade mínima para 5 mil, o confronto contra os paraibanos será realizado no Frei Epifânio, em Imperatriz.

Dentro de campo, em sua oitava temporada no futebol profissional, o Cordino aposta mais uma vez no faro de gol de Ulisses. Maior artilheiro da história da Onça e três vezes artilheiro do Campeonato Maranhense (2012, 2015 e 2016), aos 34 anos, o jogador enfrentará a principal temporada de sua carreira, tentando ajudar a Onça a realizar uma boa campanha em suas estreias na Copa do Nordeste e na Copa do Brasil.

Válber precisa recuperar regularidade para justificar o investimento do MAC

Aos 36 anos, o meia Válber foi o reforço surpresa do MAC para a disputa do Campeonato Maranhense de 2018. Apesar de não ter apresentado uma regularidade em suas atuações no Moto em 2017, ainda assim o meia fez uma temporada decente, chegando a disputar 21 jogos e marcar três gols, números semelhantes ao seu rendimento no Paraná em 2016, onde disputou 39 jogos e marcou três gols.

Sem a velocidade, que geralmente é exigida para jogar nas pontas, Válber deve aparecer mais como opção com meia-central no time atleticano, onde deve disputar a posição com Eloir e Felipe Costa. Com boa técnica, o maior problema para o experiente meia será recuperar a regularidade, o que esteve longe em 2017.

Com a chegada ao MAC, Válber completa o ciclo comum para a maioria dos jogadores de defender os três grandes de São Luís. Quem também fecha esse ciclo é o meia Felipe Costa, que retorna ao futebol maranhense após um período no Espírito Santo, onde foi campeão da Copa Espírito Santo com o Atlético Itapemirim.

Aos 25 anos, o meia retorna à São Luís após defender o clube capixaba em apenas quatro jogos na campanha do título. O Moto, onde teve projeção em sua carreira, segue sendo o time no qual o meia teve o melhor rendimento na carreira, com 48 jogos e 10 gols, enquanto no Sampaio foram apenas 21 jogos e dois gols marcados de 2015 a 2017.

Junior Chicão repete 2015 e chega ao Imperatriz buscando recuperação na carreira

Um dos reforços para o Imperatriz em 2018, o atacante Junior Chicão retorna ao clube onde teve sua última boa temporada em 2015, coroada com a conquista do Campeonato Maranhense. Desde a saída do alvirrubro, o jogador, hoje com 30 anos, não conseguiu se firmar como titular nas equipes por onde passo e em 2016 e 2017, conta com apenas oito gols marcados em 45 jogos disputados.

Quando defendeu o Imperatriz em 2015, Chicão chegou ao Cavalo de Aço em situação semelhante. Após ser dispensado do Sampaio, o jogador acertou com o River-PI onde disputou apenas quatro jogos e não marcou gols. Assim que chegou ao Imperatriz, o atacante garantiu a vaga como titular e foi responsável por belos gols na campanha do título estadual, fechando a temporada com oito gols marcados em nove jogos no Estadual, sendo o vice-artilheiro do torneio.

Mais uma vez Junior Chicão terá que aproveitar o Campeonato Maranhense para recuperar sua boa fase. Nos dois anos após a saída do Imperatriz, o atacante passou pelo Coruripe, Campinense, Juazeirense e Murici. No Coruripe, em 2016, foi onde o jogador viveu a melhor fase, chegando a ser titular, mas com apenas seis gols em 23 jogos disputados.

A passagem pelo Campinense foi um fiasco, onde era reserva e em 10 jogos não marcou nenhum gol. Para completar, nos dois últimos clubes, Juazeirense e Murici, foram apenas 12 jogos disputados em 2017, sendo nove pelo time baiano, onde anotou os seus dois únicos gols do ano.

Sem marcar desde o dia 5 de março, mais importante que superar o jejum de gols, será provar que mesmo aos 30 anos, Junior Chicão poderá ser decisivo para o Cavalo de Aço. O atacante é um dos cinco atletas do atual elenco que integraram o elenco responsável pela última conquista do Alvirrubro.

Imperatriz aposta em base campeã e reforços regionais para 2018

Jean, André Penalva, Rubens, Daniel Barros e Junior Chicão reeditarão o quinteto campeão maranhense em 2015 e vestirão a camisa do Imperatriz novamente em 2018. Além dos cinco atletas, no elenco do Cavalo de Aço apresentado para a nova temporada, destaque para a presença do meia Balão Marabá e do lateral-esquerdo Jefferson Abreu, reforços para o alvirrubro comandado por Paulinho Kobayashi.

O sonho do terceiro título do Campeonato Maranhense para o Imperatriz começou com a contratação do técnico Paulinho Kobayashi, que em 2017 comandou o São José no Estadual. Na lista dos atletas confirmados para o Estadual, destaque para Balão Marabá, que deverá disputar a titularidade com o veterano Rubens, que em 2017 rendeu abaixo do que apresentou nos dois anos anteriores.

Em 2017, Marabá foi um dos principais jogadores do Santos-AP e fechou a temporada com cinco gols marcados em 23 jogos. Com boa precisão nas bolas paradas, o jogador pode ser fundamental para o Cavalo de Aço lutar pelo título estadual. Ainda entre as caras novas, a chegada de Jefferson Abreu é uma opção para a lateral e a ponta-esquerda. O jogador irá para o terceiro clube junto com Kobayashi, que foi o seu treinador no São José e no Altos, durante a Série D.

Dentre os nomes já conhecidos, o goleiro Jean, o zagueiro André Penalva e o atacante Junior Chicão terão que recuperar seus melhores dias. Jean, desde que retornou ao Sampaio, sempre foi reserva e quando assumiu a titularidade sofreu com falhas, enquanto André Penalva teve uma rápida passagem no Moto, aparecendo apenas como reserva e Junior Chicão fechou 2017 com apenas dois gols em 12 jogos.

Das apostas em novos jogadores, os meias Mateus Ferreira e Thaynana, e o atacante Lucas Silva, todos com 21 anos, terão mais uma oportunidade no Imperatriz. Com a temporada de 2018 cheia, pode ser a oportunidade para o trio firmar a carreira. Além do Campeonato Maranhense, o Imperatriz disputará a Série D, onde a diretoria chega com um discurso de brigar pelo acesso, apesar de ser apenas a segunda participação do Alvirrubro no torneio.

Elenco do Imperatriz para 2018
Goleiros: Luciano Sousa, Gustavo Recife e Jean
Zagueiros: Thiago Viana, Maycon Douglas, Rodrigo Barreto e André Penalva
Laterais: Renan Luís, Wilians da Conceição, Jefferson Abreu, Leonardo e William;
Meio-campo: Rodrigues, Zé Neto, Mateus Ferreira, Balão Marabá, Rubens e Daniel Barros;
Atacantes: Kaká, Leonardo Oliveira, Júnior Grajaú, Lucas Silva, Tainan, Rony, Yerien e Júnior Chicão

Yuri e Felipe Alves: segurança no meio-campo e criação de oportunidades no ataque para o Sampaio

Últimos reforços anunciados pelo Sampaio para 2018, o volante Yuri e o atacante Felipe Alves chegam ao Tricolor com status de jogadores importantes e, provavelmente, serão titulares assim que a bola rolar. No CRB, Yuri foi o segundo maior ladrão de bolas do time alagoano na Série B de 2017, enquanto Felipe Alves foi o terceiro jogador com mais assistências pelo Paraná.

Aos 27 anos, Felipe Alves retorna ao futebol nordestino, onde se destacou em 2015 pelo Campinense, comandado pelo técnico Francisco Diá. Na Raposa, onde viveu sua fase mais goleadora, foram 26 jogos e 14 gols marcados naquela temporada. O ano ainda terminou com o atacante no Boa Esporte, onde marcou quatro gols em 13 jogos durante a Série B. Até agora essa foi a principal temporada de Felipe Alves.

Em 2016, as coisas não foram tão bem para o avançado. Contratado pelo Joinville, marcou apenas três gols em 17 jogos, antes de seguir para o Tombense, na Série C. A fase melhorou ligeiramente e Felipe marcou três gols em 11 jogos no time mineiro. No total, foram 28 jogos e apenas seis gols marcados.

A chegada ao Paraná em 2017 voltou a indicar uma recuperação da boa fase do atacante. Apesar dos poucos gols, apenas sete em 37 jogos, na Série B, o atacante também apareceu como criador de oportunidades. Foram quatro assistências, sendo o terceiro melhor do Paraná no quesito, participando, diretamente, de sete gols em 21 jogos na competição.

Na maioria dos jogos que apareceu, Felipe Alves entrou pelo lado esquerdo e em algumas oportunidades jogava centralizado. Com Francisco Diá já há um histórico goleador, agora é esperar para ver se o atacante repetirá essa fase no Sampaio.

No meio-campo, a chegada de Yuri, nitidamente é uma substituição para a saída de Diego Silva. No CRB, o volante foi o segundo maior ladrão de bolas do time, com 44 recuperações durante a Série B de 2017. A principal diferença entre o novato e o seu antecessor é o apoio ao ataque. Ofensivamente o volante é peça praticamente nula, com apenas cinco finalizações durante a Série B e apenas uma na direção do gol.

Junto com o goleiro Andrey, Yuri e Felipe Alves devem ser os principais reforços do Sampaio para o início da temporada de 2018. A tendência é que o trio se firme entre os titulares e seja parte da espinha dorsal que irá compor a equipe durante a Série B.

Participação de Sampaio e Moto na Série C, garantem a maior pontuação história da FMF no Ranking da CBF

Lucas Almeida / L17 Comunicação

Em campo Sampaio e Moto tiveram desempenhos distintos na Série C, com o Tricolor alcançando o acesso para a Série B, enquanto o Rubro-Negro foi rebaixado para a Série D. Apesar da diferença, a participação da dupla maranhense no torneio foi importantíssima para a Federação Maranhense alcançar sua maior pontuação no Ranking Nacional de Federações e retomar o 15º lugar com a maior marca em sua história: 6132 pontos.

O acréscimo de 493 pontos também foi impulsionado pela participação de MAC e Cordino na Série D. Assim como no Ranking de 2017, que foi divulgado no fim da temporada de 2016, o Maranhão segue com apenas cinco clubes na lista, onde o Cordino entrou no lugar do Santa Quitéria, que fez sua única aparição em torneios nacionais na Copa do Brasil de 2012.

Desde o ranking de 2015, Sampaio, Moto e Maranhão seguem como os três melhores clubes do Estado, com uma alteração na segunda colocação. No Ranking de 2016, o Rubro-Negro assumiu a segunda colocação, posto mantido nas três últimas listas, deixando o MAC em terceiro. O Cordino, novidade do ranking de 2018, por causa da participação na Série D de 2017, aparece na frente do Imperatriz, com 255 pontos, dois a mais do que o Cavalo de Aço.

O Sampaio, mesmo disputando a Série C, impulsionado por sua boa campanha na Copa do Brasil, onde chegou até a terceira fase, soma 3753 pontos e fica na 39ª colocação. O Moto aparece na 66ª posição com 1211 pontos, o MAC vem em 95º com 660 pontos, seguido pelo Cordino em 157º e o Imperatriz em 253º.

O Ranking da CBF é importante na distribuição do sorteio da Copa do Brasil, onde os clubes são divididos por potes. Em 2018, Sampaio e Cordino serão os representantes do Maranhão no torneio e os confrontos da primeira fase, além dos cruzamentos até à terceira fase, serão definidos no dia 15 de dezembro.

Confira a evolução dos clubes e da Federação Maranhense nos últimos cinco anos no Ranking da CBF.

Sem jogar desde março, reforço do Moto não marca gol há 20 meses

No dia 3 de abril de 2016, o atacante Lucas Bacelar marcou o seu último gol vestindo a camisa do River-PI. Em 2018, o jogador, que carrega o DNA de Sima, que defendeu o Moto na década de 1970 e é o maior artilheiro da história do futebol piauiense, defenderá o Rubro-Negro maranhense e carrega a expectativa de escrever novos capítulos em sua carreira.

Revelado pelo River-PI, a malhor temporada de Lucas até o momento foi em 2016, quando disputou 18 jogos, pelo Piauiense e na Copa do Nordeste, com 21 anos. Antes disso, o atacante entrava ocasionalmente em alguns jogos do Galo e ainda teve um empréstimo ao 4 de Julho para a disputa da Série B do Piauiense de 2016.

No geral, a carreira de Lucas Bacelar é de poucos gols até o momento. Profissionalizado em 2015, após ser aprovado pelo técnico Flávio Araújo, o atacante tem apenas três gols registrados em sua carreira, em 42 jogos foram apenas três gols marcados.

Em 2017, Lucas disputou apenas quatro jogos, sendo dois no Campeonato Piauiense, um na Copa do Nordeste e outro na Copa do Brasil. Após o primeiro semestre, o jogador entrou em uma batalha jurídica contra o River-PI e  ficou fora da Copa Piauí de 2017.

Com esses números, baixos até para um ponta, é que Lucas tenta dar um novo rumo para sua carreira no Moto. Como opção de referência, o Rubro-Negro conta apenas com Jefferson, já que Edu, que sequer se apresentou, teve sua chegada descartada após seu nome ser anunciado na lista inicial do elenco do Papão.